Resiliência em Tempos de Crise

Neste vídeo eu explico:

1. O que é Resiliência?

O termo resiliência é originário da física, onde se define como a capacidade máxima, que possui um material, de absorver energia sem sofrer deformações permanentes.

Embora a Psicologia tenha lançado mão deste termo, o significado na área da física foi superado em Psicologia, já que se entende que um indivíduo não pode sofrer uma situação adversa e voltar a ser como antes, pois ele aprende, cresce, desenvolve e amadurece .

Resiliência pressupõe, portanto, uma maneira de administrar as adversidades, reconhecendo seu potencial de risco, mas sem perder a capacidade de mobilizar os recursos (pessoais e contextuais) para enfrentar essas situações.

Trata-se de um conceito valioso, especialmente em termos de promoção da saúde, que ajuda a compreender porque algumas pessoas expostas a situações com elevado potencial de risco são capazes de enfrentá-las bem e outras em situações semelhantes não conseguem responder da mesma maneira

2. Condições que influenciam a resiliência:

FATORES DE RISCO

Os fatores de risco são eventos negativos que, quando presentes na vida do indivíduo, podem ocasionar problemas físicos, sociais ou emocionais.

FATORES DE PROTEÇÃO

Os Fatores de Proteção são influências que podem modificar ou melhorar as respostas de um indivíduo que esteja submetido a esses riscos de desadaptação.

Assim, os processos de proteção se referem ao modo como uma pessoa enfrenta os momentos de transição e mudanças em sua vida, o sentido que ela atribui às suas experiências, e como ela atua perante situações adversas.

Fatores de Proteção:

* Coesão Familiar

* Rede de Apoio

* Características Pessoais

CARACTERÍSTICAS PESSOAIS QUE CONTRIBUEM PARA A RESILIÊNCIA:

> Expectativa de sucesso no futuro

> Senso de humor,

> Otimismo,

> Entusiasmo,

> Mente aberta e receptiva a novas ideias e experiências,

> Disciplina pessoal e responsabilidade,

> Reconhecimento e desenvolvimento dos próprios talentos,

> Identificação com modelos positivos,

> Busca de autonomia,

> Capacidade de adaptação,

> Tolerância ao sofrimento,

> Variedade de interesses,

> Capacidade de comunicar sentimentos de forma adequada (assertividade), estabilidade emocional,

> Engajamento em diferentes atividades,

> Comportamento direcionado a metas,

> Bom nível de autoestima.

GOSTOU DESSE ARTIGO? COMPARTILHA COM UMA AMIGA EMPREENDEDORA

Deixe seu comentário, dúvida ou sugestão

Campos obrigatórios marcados com *